FILME QUE EU RECOMENDO ASSISTIR: UM AMOR VERDADEIRO


                     
 UM  AMOR VERDADEIRO – de Carl Frankilin,com Meryl Streep,Renné Zellweger…

 Ao  descobrir  que  a  sua  mãe  está  doente,  jovem  jornalista  volta  de  Nova  York  para  a  casa dos  pais, deixando  sua  visda  e  seu  emprego  em  NY. Cheguei assistir  duas  vezes  em  ocasiões  diferentes  e  fui  tocada  em  ambas:

UM
AMOR VERDADEIRO   (1998)

One true
thing
 

 

Direção: 
Carl Franklin

Roteiro: 
Karen Croner

Produção: 
Jesse Beaton, Harry J. Ufland

Música
Original: 
Carole Bayer Sager, Cliff
Eidelman

Fotografia: 
Declan Quinn

Edição: 
Carole Kravetz

Design
de Produção: 
Paul Peters

Direção
de Arte: 
Jefferson Sage

Figurino: 
Donna Zakowska

País: 
USA

Gênero: 
Drama

Nota: 
7,0

Indicações: Academia
de Hollywood – Indicado para o Oscar de Melhor Atriz (Meryl Streep)

 

Globo
de Ouro – Indicado para o Prêmio de Melhor Atriz-Drama (Meryl Streep)

Filme
assistido em: 
1999

Elenco

 

Ator
/ Atriz
Personagem
 Meryl
Streep
Kate
Gulden
 Renée
Zellweger
Ellen
Gulden
 William
Hurt
George
Gulden
 Tom
Everett Scott
Brian
Gulden

 Lauren
Graham
Jules

 Nicky
Katt
Jordan
Belzer

 James
Eckhouse
Promotor

 Patrick
Breen
Sr.
Tweedy

 Gerrit
Graham
Oliver
Most

 David
Byron
Senador
Sullivan

 Stephen
Peabody
Harold

 Lizbeth
MacKay
Dr.
Cohen

 Mary
Catherine Wright
Clarice

 Sloane
Shelton
Sra.
Best

 Michele
Shay
June

 Bobo
Lewis
Muriel

 Marylouise
Burke
 Louisa

 Marcia
Jean Kurtz
Marcia

 Diana
Canova
Diana

 Anna
Alvim
Enfermeira
Teresa

 Susan
Stout
Secretária
de Tweedy

 
 

Sinopse

A
vida de Ellen Gulden estava naquela fase em que tudo parecia dar certo. 
Sua carreira como repórter de uma grande revista em Nova York era promissora;
ela morava num bom apartamento e tinha um sólido namoro com um jovem e
bem-sucedido advogado.  De repente, tudo isso, que era tão importante para
ela, desvaneceu-se no ar.  Ellen viu-se obrigada a voltar para a casa dos
pais e cuidar da mãe, nos últimos e dolorosos meses de um câncer devastador.

A
convivência diária com a mãe à beira da morte faz Ellen encarar de frente o
sentido de sua vida. Ambiciosa, crítica e impiedosa, ela nunca deixou os
sentimentos interferirem em seus objetivos – e aprendeu desde cedo a ser
vitoriosa.  No entanto, lá está Ellen tendo de cozinhar para o grupo de
outras pacatas donas-de-casa do qual a mãe era o nome principal e tendo de
levar adiante a tradição de fazer a mais bela árvore de Natal da
cidade.  São tarefas que Kate sempre executou com meticulosa perfeição e
que Ellen despreza totalmente.

Pior:
desta vez, ela está destinada ao fracasso.  Não há tempo desta filha
pouco amorosa, que nunca escondeu a preferência pelo pai, salvar a vida de Kate. 
À medida que a doença vai avançando, mais e mais crescem a exigência e a
pressão sobre Ellen.  A mãe afunda aos poucos num mundo de tormentos em
que a morfina é o único alívio.  Alguns comprimidos a mais podem livrar
Kate para sempre das dores – mas quem poderia executar a terrível tarefa?

Críticas

Baseado
num livro de Anna Quindlen e dirigido com um surpreendente toque de
sensibilidade por Carl Franklin, "Um Amor Verdadeiro" é um ótimo e
comovente filme sobre uma mulher que é acometida de câncer e, com o
desenvolver da doença, passa a depender de seus familiares, em particular de
sua filha Ellen.

A
força desse drama familiar reside em seu inteligente roteiro e nas magníficas
interpretações dos três principais atores:  Meryl
Streep, Renée
Zellweger e William
Hurt.  A despeito de Meryl Streep ter sido indicada ao Oscar e ao
Globo de Ouro de Melhor Atriz, o grande destaque fica com  Renée Zellweger,
numa das melhores atuações de sua carreira.

O
filme conta, ainda, com uma bela trilha sonora e a ótima fotografia de Declan Quinn.

Gênero:
Drama

Origem/Ano:
EUA/1998

Duração:
127 min

Direção:
Carl Franklin

Sinopse:
O filme trata das confusas e dolorosas
transformações que acontecem quando Ellen Gulden, uma jovem e ambiciosa
jornalista de Manhattan, é forçada a voltar para casa para ajudar seus
pais Katherine e George Gulden que passam por uma crise. Ellen rejeita, a
princípio, a idéia de de voltar apara casa. Mas, uma vez lá, ela
embarca em uma jornada de descoberta de si mesma que irá mudá-la para
sempre.

Jornalista há muito longe de casa, Ellen (Renee) é chamada de volta pelo
pai (Hurt), pois a mãe (Meryl) está prestes a sofrer uma operação.
Ellen leva serviço para fazer e fica muito perturbada com as inúmeras
atividades sociais da família. A cada dia, porém, percebe melhor a
gravidade da situação da saúde da mãe.

Pouco a pouco, Ellen descobre que eles são duas pessoas que ela sempre
amou mas que nunca realmente conheceu. Com o tempo, evolui: de uma
criança – que é meramente uma extensão de seus pais – ela passa a ser
uma mulher que sabe quem é, e se vê finalmente capaz de apreciar seus
pais como seres humanos.



Sobre nunaina

seguendo davanti sempre
Esse post foi publicado em Sem categoria e marcado . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s