Falando sobre Falando sobre CASAMENTO, ONDE FOI PARAR O AMOR


 

         Hoje, quando pensamos em casamento ou nos assustamos, saindo correndo, lembrandonos de prisão, perda total de liberdade, invasão, dominio de uma pessoa sobre a outra ou desejamos desesperadamente como se o casamento em si fosse ser uma fuga da solidão em si ou do rótulo de que todos os solteiros de mais idade ganham qdo ou não casam ou fracassam no casamento.

Eu linkei este post do espaço do meu amigo do spaces que fala sobre casamento pois ontem na reunião de louvor e adoração na Bola de Neve Church, o pastor falou sobre esta caminhada incrível de duas pessoas juntas e que é impossível de ser feita sem a presença de Deus junto com a gente, no casamento marcas são feitas, ajustes,                              curas, transformações, sucesso tbm, é uma formação de um laço dificil de ser quebrado qdo Jesus está presente desde o primeiro contato  de duas pessoas que buscam agradar a Deus em suas vidas em cada passo que realizam.

Claudia 

    

CASAMENTO, ONDE FOI PARAR O AMOR

Talvez não tenha havido, na história da humanidade, um período em que se falasse tanto de amor, como o atual. Os “hippies”, com dois dedos levantados em forma de “V”, pregaram “paz e amor”.

Através do rádio ou da televisão, dos jornais, revistas ou cartazes, deduzimos, sem muito esforço, que amor é um produto de consumo.

Porque a estrutura social do homem é baseada em famílias, não pode haver sociedade humana sem que haja família. Estas são as primeiras a perder a idéia clara, objetiva do que é o amor e, conseqüentemente, não tê-lo na qualidade de sua determinação essencial.

Nessa base, cônjuges colocam o rótulo de amor naquilo que é o seu maior inimigo: o egoísmo, ou seja, o uso das pessoas para satisfação do amor próprio.

Amor, muito mais que a idéia de sentimento, é doação. Dar de si mesmo a outrem. Amor é uma atitude demonstrada em algo que acontece de modo tangível. Em outras palavras, ninguém ama abstratamente. Notemos os exemplos bíblicos: “Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela”; “Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu filho…”; “Ele me amou e a si mesmo se entregou por mim”.

Por isso, o amor é primeiramente uma doação, uma entrega de alguém a outra pessoa. Tem que ser tratado, regado, cultivado. É onde me preocupo com o bem estar da pessoa amada, ajudando-a no que puder, planejando juntos a vida, na firme determinação de fazer tudo o que estiver ao meu alcance, pela felicidade dela.

O casal deve relacionar-se mutuamente na base do amor. Para Hegel, “o amor matrimonial significa, a consciência de minha unidade com o outro e do outro comigo”.

“ No amor, eu conquisto minha autoconsciência unicamente como renúncia do meu ser para mim mesmo, minha individualidade, e conheço-me na unidade de mim mesmo para com o outro e do outro para comigo”.

A união nesse alto nível, como expressa Lacey no livro “Casamento na Igreja e no Estado”, “é uma conjunção de duas vidas para viverem como se fossem uma”.

É tão parte integrante da ordem natural das coisas que Voltaire ousou dizer que se não houvesse amor assim no casamento, ele “seria inventado”.

Como é possível manter esta relação de amor no casamento? É preciso apropriar-se de um recurso que é descrito na Bíblia como Deus mesmo. Ele é amor e provou este amor para com os homens por meio da morte de seu Filho.

A família é um reflexo do amor de Deus, onde as partes não são, cada qual, fim para si mesmo, mas a vida em amor com o outro. No amor está estabelecido o marco de referência que não somente modela o padrão de relacionamento do casal, mas por sua vez, permite seu crescimento.

Sem a CONSCIÊNCIA de Deus e essa autoconsciência, não haverá compreensão do que venha a ser “dois sendo uma só pessoa”, nem solidariedade de matrimonial.

Sem Deus, instituidor do casamento, expressão máxima do amor, e sem o outro, cuja unidade com ele é imperativo divino, o ser humano restringir-se-á a uma pessoa privada, independente para si mesmo, na sua individualidade egoísta, alguém deficiente e incompleto.

*********
Pr. Eli Fernandes é pastor da Igreja Batista da Liberdade, em São Paulo.

Extraído do Site "Igreja Batista Ministerial da Familia" (http://www.ibmdaf.org.br)

Sobre nunaina

seguendo davanti sempre
Esse post foi publicado em Sem categoria e marcado . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s